Romaria da Baixa Rasa reúne cerca de mil fiéis em Crato

Na manhã da última terça-feira, 25, deu-se início à 108ª Romaria da Baixa Rasa no município de Crato. A festa, que este ano contou com mais de mil participantes, atrai vaqueiros e pessoas de vários locais que se reúnem em rumo à Baixa Rasa, para pagar promessas, festejar e confraternizar. 

A romaria gira em torno da história de um homem que se perdeu de seu comboio na Chapada do Araripe, morrendo de fome e de sede. Tempos depois, foi encontrado em estado de decomposição. Em sonho, agradeceu a pessoa que o enterrou. Contudo, ninguém sabe ao certo como se chama ou se, de fato, há alguém sepultado ali. No conto popular, os vaqueiros dizem que ele era outro colega de profissão que saiu à procura de uma boiada e nunca mais voltou. Outros, que era um comerciante do Pernambuco que veio para trocar farinha e rapadura. O episódio aconteceu, provavelmente, no final do século XIX.  

Centenas de pessoas se concentram ao redor da Santa Cruz, onde supostamente estaria enterrado o homem. Lá, muitas pessoas cumprem promessas e realizam novos pedidos. Oram pela vida dos que se foram e pela saúde de parentes. Alguns deixam uma garrafa de água ao lado do túmulo, lembrando a morte de sede do personagem.  

Na edição deste ano, mesmo em tempos de pandemia, o cortejo foi considerado um sucesso. Foi mantida a exigência de cumprimento dos Decretos municipais, a exemplo do uso da máscara, higienização das mãos e as regras de distanciamento social. A missa foi encerrada ao meio-dia momento em que a maioria das pessoas que fez o percurso a cavalo, já se organiza para o retorno aos seus lares num ano de mais um dever cumprido.

Estiveram participando os secretários municipais de Urbanismo e Meio Ambiente, George Borges; dos Serviços Públicos, Tota Lobo; do Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo, Ary Melo, o adjunto da Cultura, Wilton Dedê, além do Vice-Prefeito do Crato, André Barreto.